domingo, outubro 31, 2010

Workshop de Fotografia Digital I (FAP)_1º aula

Antes de falar do que foi falado. O Cláudio Melo como já disse tirou o seu curso na Adobe e também é professor em Tomar na Licenciatura em fotografia (é engraçado quando falamos em programas piratas) mas o Cláudio também tem uma "chafarica" (mais engraçado ainda quando alguém não sabe o significado disto torna-se hilariante) a Gamute (não sei se escreve-se assim, eles não tem site e não encontrei no PAI) mas fica ali pro bairro alto e faz o mesmo que a FinePrint, impressões de alta qualidade diga-se

Bom com ele estamos a dar parte do digital do que foi falado na aula aqui fica o resumo.
Três tipos de sensor
CCD
CMOS (que tem mais ruído digital que o CCD)
Foven

A maior parte das nossas maquinas possui cmos, por ser mais rápido e consequentemente também mais barato. Analisamos os pixeis, quantos mais pixeis tiver uma câmara com um sensor pequeno pior é a qualidade. E porque? Porque se o sensor for pequeno e se tiver que meter muitos pixeis eles vão ter que se "encolher" pra caberem todos. Logo se tiver mais espaço são maiores e consequentemente a qualidade da imagem é melhor. Por isso não estamos a caminhar para o melhor, muitas vezes pensamos aquela maquina tem não sei quantos megapixeis (12, 16 etc) e conseguimos realmente imprimir em tamanho gigantes, mas se o sensor for pequeno (isto é muitos ainda não são full-frame, full-frame significa que corresponde a um 35mm em película dos antigos rolos que usávamos). Mas ate um dia no full-frame vamos ter que parar de enfiar pixeis não?

O que se consegue com uma maquina de grande formato? O Cláudio disse "quando experimentarem vão voltar a apaixonar por fotografia". E eu acredito piamente que sim :)
Deu-nos um link que partilho o BetterLight, onde podemos ver imagens gigantoides e fazer zoom e ver pormenores espectaculares...experimentem. Uma curiosidade estas maquinas captam a cor por pixeis de cor (espero não estar a dizer mal com a palavra pixel) mas é assim "primeiro" capta o vermelho, tudo o que tem tal espectro de luz é captado, e depois o verde e depois o azul (vai rodando como se de um relógio se tratasse). O que acontece quando se fotografa objectos em movimento? pois o espectro da cor que estamos a apanhar muda de lugar e cria os efeitos que podem ver se fizerem zoom e vê-se os pixel da cor. Por isso é muito usado em estúdio, coisas paradas paradinhas.
Ainda deu outro site, do qual escrevi mal...porque ele não sabia bem e eu deixei esse e não corrigi. Que parvoíce a ver se sei qual era, mas tinha haver com as fotografia que foram tiradas a bíblia de Gutenberg (o site tinha umas imagens de aparelhos engraçados que se ligam as maquinas e passam logo pro pc, mas assim muito rústico, mas que tem um pormenor impressionante).

Uma dica do Melo, quando fotografamos devemos sempre fazer a nossa medição nas altas luzes (zonas mais claras pra quem não sabe) e porque? Porque assim nas sombras (zonas mais escuras da imagem) temos uma maior variedade de tons e consequentemente também o ruído digital é menor (se repararem o ruído digital nas zonas muitos escuras normalmente nota-se os pixeis todos). Como a foto fica assim meio "morta" na prós produção da imagem podemos recuperar as sombras e ela terá uma maior gama tonal. Hum quem sabe sabe, e o Melo é que sabe ;)

5 comentários:

Hugo disse...

Estás a ver que sorte que eu tenho? As minhas máquinas são todas full frame e não têm sensor CMOS...
:)

Ana Sofia Santos disse...

hehe a tua digital não é :)

Hugo disse...

Sim, tens razão! Estava a brincar.
De facto a minha digital não é full frame. Antes fosse. É uma simples "bridge" da Lumix. O que tem de bom é o facto de ser bastante compacta e ter uma objectiva Leica com abertura máxima 1:2,8. Ah, o sensor é CCD :)

Ana Sofia Santos disse...

hehe e é lenta a processar?

Hugo disse...

Um bocadinho, tira cerca de 1 fps. Mas para mim serve perfeitamente, pois não sou jornalista e tiro ao ritmo de 1 frame por cada 30 minutos!!!