segunda-feira, outubro 17, 2011

Sinto saudades do que ainda não aconteceu

Sábado acordar cedo, mas dormia mais. Acordar já meio triste porque o fim de semana vai passar rápido, eu sei. Douro. Intercidades. Conversa com uma senhora mais velha (a sério isto dava umas belas cronicas). Morte, outras vidas, casamento, sexo... que é bom mas só com o mesmo homem porque vai mudando ao longo dos anos, fotografias para lá de antigas. Oriente. Despeço-me. Sintra. Casa. Dormir. Comboio novamente. Vejo um aluno do ano passado. "Porque não vai de carro?" - "Já sabes que não tenho". Fazer parte involuntariamente dos "indignados" ou eu chamo-lhe o festival da sagres ou super bock. "Tem um mercedes mal estacionado?". Silencio. "Estas gajas são umas parvas e estão a ir embora". Pensei alguma de nós vai levar uma chapada. Temos casamento para o mês que vem, já sabia mas foi oficializado no jantar. Casa. Tarde. Domingo dá para fazer pouco. Comprei 4 dvd´s um deles a um euro e noventa. "As confissões de Schmidt", vi um bocadinho, bem bom. "A noiva cadáver", "Charlie e a fabrica de chocolate" e "Uma viagem ao centro da terra". Para passar nas aulas. É segunda. Intercidades. Sono. Triste. Na sexta já tinha saudades do que ainda não tinha vivido. Já sabia. Acabou rápido

4 comentários:

Cris disse...

Acho piada á maneira como o texto está escrito, parece que tem ritmo, como uma musica.

Vânia disse...

estás viva Ana? não te perdeste no meio das chouriças? só para deixar aquele beijinho de força***

Ana Sofia Santos disse...

Cris hehe era para não descrever tudo ao pormenor.

Vânia ainda não me matei com a minha própria comida hehe(tive uma mega enxaqueca e pronto fiquei meio away)obrigada ***

Cris disse...

Calhou-te muito bem o texto :P