segunda-feira, janeiro 24, 2011

Estou triste

Há coisas que mexem connosco, e quando nos são tão próximas ainda mais. Estávamos em reunião quando soubemos (eu soube, penso que alguns já sabiam) que ia passa na tvi "escolas que "matam" a fome as crianças" nas manhas do Luís Goucha e da Cristina. Tocou, tocou porque uma das meninas que falou é minha aluna. É impossível ficar indiferente, é impossível não sentir o coração apertado. Julgamos, vivemos a nossa vida, julgando que todos os outros são ou estão iguais a nós. Que tem essa coisa tão simples como comida e afinal. Ir de manha sem pequeno almoço, almoços tão mauzinhos. Toca. E neste momento fico sem grandes palavras. (para além de que recebemos uma mãe e pronto, quando os pais falam das suas vidas pessoais pra mim é uma desgraça, já o tinha sido o ano passado quando uma mãe confessou certas coisas). Ainda bem que há muitos portugueses a ajudar (perdoem-me certas ajudas que eu cá não contribuo, mas ajuda de comida é impossível não ajudar).

7 comentários:

art.soul disse...

entendo bem o que dizes.
a minha mãe foi professora primária e conheço algumas histórias bem complicadas.
também fiz voluntariado e trabalhei numa ONG durante uns anos... há situações muito, muito más por aí, e bem mais perto de nós do que imaginamos.

beijos

Ana Sofia Santos disse...

sim, pode ser o nosso vizinho do lado e nem sabemos. Gasta-se rios de dinheiro em certas coisas e depois pra comida não há :(

Cris disse...

estamos tão fechados nos nossos mundinhos, que n imaginamos que ha pessoas que vivem de modo diferente do nosso..

Hugo disse...

Contribuo sempre para o Banco Alimentar. Aí sabemos o destino da nossa generosidade.

Já as roupas doadas para África... já lá estive e sei o destino menos nobre...
Temos muita gente a quem dar roupa em Portugal.

Ana Sofia Santos disse...

Cris é isso mesmo, sem tirar nem pôr

Hugo aqui em casa também (penso que neste caso não tem sido suficiente a contribuição tal é a carência)
Roupas/calçado dei o ano passado na escola que estava, porque era pedido (ou as vezes a uma vizinha :)

Vânia disse...

Fui voluntária do Banco Alimentar durante muitos anos e a minha mãe ainda hoje ajuda na distribuição de comida a famílias e é incrível como cada vez há mais fome. Pessoas que antes víamos como bem na vida estão neste momento numa situação de miséria extrema. E sim, cada vez há mais crianças a sofrerem deste problema. Deixa-me mesmo muito triste.

Ana Sofia Santos disse...

somos duas a ficar tristes... espero que os "meus" miúdos vinguem na vida pra não passarem mais fome